Subscribe via RSS

Mulheres ao Ataque

13 maio 2014

written by Memória Cinematográfica

Mulheres ao Ataque

Ah, os clichês… Ninguém sai de casa para ver um filme cujo título em português é “Mulheres ao Ataque” (“The Other Woman”) pensando que vai ver algo cheio de inspiração, sutileza e inovação. Ninguém. Portanto, se resolver assistir à Cameron Diaz na telona, melhor saber o que te espera. E os clichês são vários.

Na trama, Diaz é Carly, uma bem-sucedida advogada em Nova York, que descobre, da pior forma possível, que o cara com quem ela está saindo, Mark (o dinamarquês Nikolaj Coster-Waldau, da série “Game of Thrones”), na verdade, é casado.

Mas ela ão é a única a ser surpreendida. A mulher do rapaz, Kate (Leslie Mann, de “Bling Ring: A Gangue de Hollywood”), descobre, ao mesmo tempo, que o marido tem uma amante.

Acontece que Carly é bem-sucedida e a tal esposa largou a carreira para se dedicar ao casamento. Então, vive dentro de casa — fora do buchicho de Manhattan — inventando reformas ao lado do irmão, que é empreiteiro.

Um dia, porém, a mulher aparece, com cachorro e tudo, na casa de Carly. Quer saber como vivia com o marido e, então, as duas começam a formar uma amizade. Até que descobrem que o marido é um verdadeiro galinha e já está traindo (as duas!) com uma terceira.

As três, então, vão ao ataque! Daí o “brilhante” nome do filme em português. Elas vão tramar uma verdadeira vingança contra o homem que traiu todas elas com seu joguinho sujo.

De clichê em clichê, o filme segue falando sobre como as três vão se vingar do marido/namorado traidor. E daí vale tudo, até o truque batido da diarreia.

“Mulheres ao Ataque” explora o lado “pateta” das três mulheres em busca de vingança e, em algum momento, lembra “Os Três Patetas” com as confusões que elas armam, como quando o rapaz bate com a cara no vidro. “Os Três Patetas” mas com uma ressalva bem importante: sem a graça que os comediantes tinham.

As atrizes até que desempenham bem os seus papéis, mas falta o timing da comédia para fazer o público rir. Talvez seja até problema do roteiro fraco e batido, do que propriamente do desenvolvimento das personagens.

Se for contar pelas belas pernas de Cameron Diaz e de seu abdômen malhado, é melhor esperar para vê-la na “Sessão da Tarde” e gastar o seu tempo e dinheiro com algo que tenha mais a dizer.

 


About the author

Read more posts by


Leave a comment

© 2017 Memória Cinematográfica