Subscribe via RSS

13° Distrito

20 jun 2014

written by Memória Cinematográfica

13° Distrito

Não era apenas na vida real que Paul Walker gostava de velocidade. O ator, morto no ano passado em decorrência de um acidente de carro, participou da franquia “Velozes e Furiosos” e deixou pronto este “13º Distrito” (“Brick Mansions”). Neste longa-metragem, com estreia apontada para quinta, 19, ele também dirige uma van e um Mustang em alta velocidade.

A narrativa, porém, nada tem a ver com carro nem com velocidade. Remake do longa francês “B13 – 13º Distrito”, Walker é um policial em na cidade americana de Detroit e quer vingar a morte do pai, também policial. Coincidentemente, recebe a missão da prefeitura para deter o maior traficante da periferia da cidade, denominada Brick Mansions (daí o nome original do filme norte-americano cujo roteiro foi escrito pelo também francês Luc Besson, autor de “O Profissional”). Como parceiro na batalha para chegar aonde nenhum policial chegou até hoje, ele contará com a ajuda (ainda que não voluntariamente) de Lino (o francês David Belle).

Juntos, os dois vão se infiltrar na periferia com o intuito de resgatar Lola (a colombiana Catalina Denis), a bela namorada de Lino, e, de quebra, ainda pegar o tal traficante, Tremaine Alexander (RZA).

O longa é cheio de clichês, como o fato de o parceiro ser arredio e de desconfiar da polícia, de usarem a namorada como isca, mas em compensação é envolvente e atrai o olhar do espectador já nos primeiros minutos do filme. Nas primeiras sequências, Belle, praticante de parkour, atividade cujo princípio é mover-se de um ponto a outro o mais rápido e eficientemente possível, dá um show de saltos, escapadas e golpes perfeitos. O ator, aliás, é especialista na técnica e trabalhou no filme francês original. Paul Walker também aprendeu como praticar o parkour e o faz com bastante talento ao longo do filme.

A narrativa discute também planejamento urbanístico, quando mostra como a cidade se divide em duas sem o apoio da prefeitura quando não leva infraestrutura, lazer e escolas a todas as regiões da cidade.

No longa, a pancadaria rola solta já nos primeiros cinco minutos, com um balé bem coreografado entre os dois, deixando o espectador tenso.

Com direção de Camille Delamarre, em sua estreia no comando de longa-metragem de ficção, “13º Distrito” traz menos diálogos e mais cenas de ação. Trata-se de um típico filme que vai agradar muito mais aos meninos. Eles não vão se queixar nem do enredo, tampouco das pernas da latina Lola.

Texto originalmente publicado na GQ.


About the author

Read more posts by


Leave a comment

© 2017 Memória Cinematográfica