Subscribe via RSS

O Vinho Perfeito

14 out 2015

written by Memória Cinematográfica

O Vinho Perfeito

 

Muito melhor do que “O Vinho Perfeito” (“Vinodentro”), longa-metragem italiano que chegou recentemente aos cinemas brasileiros, é o assunto sobre o qual ele trata. Vinho, é claro.

A bebida foi centro do francês “Sobre Amigos, Amor e Vinho“, que envolve o líquido em meio a dramas familiares.

Aqui, Giovanni (Vincenzo Amato) descobriu-se especialista na bebida dos deuses depois de largar o trabalho burocrático em um banco. Na Itália, onde vive com a mulher, Adele (Giovanna Mezzogiorno), ele cultua a bebida e desenvolve o paladar a fim de apreciar cada vez mais e melhor os sabores.

No decorrer da narrativa, o espectador vai se familiarizando com os processos que compõem o trabalho de sommeliers. Um deles é o treino do olfato. O personagem mostra como faz esse treinamento, mas também esbanja o que ganha na aquisição de garrafas raras e caras. E as guarda trancadas.

Acostumado mais aos documentários do que às obras de ficção, o diretor Ferdinando Orgnani opta por contar a história de forma não-linear. É pelo fim que a plateia começa a acompanhar o que está acontecendo.

Na primeira sequência do longa, ele aparece dormindo e, em seguida, é levado pela polícia para depoimento na polícia por conta de um assassinato. Nem o personagem nem o espectador sabe o que aconteceu. A descoberta é feita simultaneamente, embora não seja nada instigante.

Pouco se sabe e pouco se envolve na trama. O espectador pode se motivar pelo processo do vinho, tal qual em “O Julgamento de Paris”. Aqui, a trama é tosca e não desperta interesse.


About the author

Read more posts by


Leave a comment

© 2017 Memória Cinematográfica